Carol StangeColunistasSlider

Como começar a construir sua Reserva Financeira?

Importantíssima para a saúde financeira de todos nós, a Reserva Financeira infelizmente, faz parte da vida de uma minoria: apenas 4 em cada 10 brasileiros tem algum dinheiro guardado.

 

Independentemente do seu salário, idade ou profissão, cedo ou tarde, você precisará de dinheiro rápido para qualquer débito inesperado. Quem nunca passou por imprevistos? Estar preparado para eles é o primeiro passo para uma vida financeira organizada e mais tranquila.

 

Afinal, quando vou usar a minha Reserva Financeira?

 

Basicamente a Reserva Financeira existe para que você possa passar por imprevistos sem se endividar por causa deles (e ainda aproveitar descontos na hora de propor pagamento à vista).

 

Dentre as emergências, podemos citar

  • Acidentes de carro, seja com o pagamento da franquia do seguro ou pequenos reparos;
  • Custos médicos pessoais ou familiares;
  • Custos veterinários para os animais domésticos;
  • Reformas emergenciais do imóvel, como os causados por chuvas fortes e ventanias, por exemplo;
  • Manutenção e troca de aparelhos eletrônicos ou maquinários de trabalho.

 

Mas a Reserva Financeira não existe apenas para imprevistos. Ela pode ser usada também para oportunidades, como:

 

  • Compra de um curso com desconto;
  • Aquisição de um bem por valor reduzido;
  • Quitação de dívidas;
  • Compras antecipadas, como contratação do pacote da viagem de férias ou troca do automóvel.
  • Obter descontos para pagamentos à vista, como é o caso de alguns impostos (IPVA ou IPTU).

 

 

Qual o valor indicado da Reserva Financeira?

 

Sugere-se que a sua Reserva seja correspondente a partir de 3 meses de despesas mensais, mas a definição do seu valor depende, na verdade, de vários fatores:

 

  • Sua idade;
  • Número de dependentes financeiros;
  • Comprometimentos financeiros de longo prazo, como financiamento imobiliário;
  • Nível de endividamento total (quanto do seu orçamento já está comprometido com parcelas?)
  • Momento profissional (início de carreira, transição ou chegando perto da aposentadoria?)
  • Tipo de profissão (CLT, autônomo, empresário, funcionário público…)
  • Acontecimentos previstos (como o nascimento próximo de um filho ou mudança de cidade, por exemplo)

 

Você pode perceber que, em alguns casos, 6 meses de Reserva Financeira pode parecer mais que suficiente, já em outros, 12 meses pode ser pouco.

 

Como começar?

 

  1. Primeiro passo é saber quanto você custa.

Qual o volume de despesas mensais? Se você precisa de ajuda com a organização financeira, pode respirar [email protected]! Há ferramentas para todos os gostos: planilha, app ou caderno. O importante é que você enxergue claramente quanto gasta e quais os tipos de despesas presentes na sua vida financeira. Aproveite para reduzir aqueles gastos que estão mais altos do que deveriam e cortar outros que são desnecessários.

 

  1. Defina uma meta mensal de poupança.

E aqui, a palavra poupança refere-se ao ato de poupar, ok? Quanto é possível poupar mensalmente? Se a meta parece difícil, divida o valor mensal em valores semanais – sabe aquela coisa de quebrar a meta principal em partes menores? Esse pequeno truque é poderoso e vai te ajudar a realizar o plano.

 

  1. Escolha um investimento seguro e com liquidez

Liquidez significa que você poderá acessar o seu dinheiro quando quiser/ precisar, sem ter que esperar por  prazo mínimo para resgate,  afinal, não faz sentido precisar aguardar 30 dias para ter acesso ao seu dinheiro se o objetivo da sua Reserva é proteger a sua saúde financeira dos imprevistos, certo?

 

E os investimentos seguros? Bons CDBs, Fundos DI e títulos do Tesouro Selic podem entrar nessa classificação. Converse sempre com o seu mentor financeiro!

 

  1. Mantenha o foco

Nem sempre é fácil mantermos a disciplina. Pode aparecer um convite imperdível para viajar com os amigos, um presente fora de hora ou mesmo, um gasto extra que você acaba fazendo para se premiar depois daquele dia puxado no trabalho. Mas respire fundo e pense que nada disso é em vão. Nada dá mais tranquilidade do que saber que suas finanças estão protegidas contra imprevistos. Se você precisa de um “boleto” para pagar, sugiro que você autorize o investimento programado diretamente da sua conta corrente para o produto escolhido em datas específicas (logo após cair o seu pagamento, por exemplo).

 

Mas a rentabilidade é pouca e você prefere ganhar mais?

 

Verdades sejam ditas: o dinheiro da Reserva Financeira não tem o objetivo de proporcionar ao investidor altas rentabilidades. Lembre que o foco da sua reserva deve ser sempre segurança e liquidez. Por mais que você possua um perfil agressivo como investidor, você só deve começar a buscar rentabilidades diferenciadas depois que estiver com a primeira etapa da jornada do investidor concluída, que é a Reserva Financeira.

 

Um beijo e vejo você no próximo conteúdo sobre Finanças Pessoais e Investimentos. Até mais!


CAROL STANGE

Carol Stange é Educadora Financeira, especializada em Finanças Pessoais e Desenvolvimento de Pequenos Negócios. Acompanhe mais em https://carolstange.com.br/

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar