Wi-fi Ralph: mais uma bela lição de empreendedorismo da Disney

Neste material, o especialista Erik Penna comenta algumas dicas de empreendedorismo para crianças (e adultos) que o filme “Wi-fi Ralph: mais uma bela lição de empreendedorismo da Disney” exibe. Algumas delas são: persistência, correr riscos calculados, rede de contatos, parceria comercial, entre outras.

Erik Penna (Crédito: Davi Rodrigues) ( DINO )

05/02/2019 –

Há alguns dias, fui ao cinema com minha filha Mariana e assistimos ao filme Wi-fi Ralph: quebrando a internet, e ficamos encantados. Além de Ralph, o mais famoso vilão dos videogames, e Vanellope, sua companheira atrapalhada, o filme exibe vários parceiros da Disney nessa aventura.

A história mostra que os dois personagens principais (Ralph e Vanellope) precisam comprar uma peça física, um controle para que o jogo denominado “corrida doce” continue a ser jogado. Eles saem então em busca dessa peça imprescindível.

Mas, onde comprar? É aí que a parceria comercial pode ser percebida no filme, afinal, eles aparecem pesquisando no Google. O resultado sugere que eles comprem no site e-Bay. Os personagens participam e ganham o leilão de compra, mas, não possuem o dinheiro. Decidem então gravar vídeos para arrecadar fundos e resolvem postá-los no Instagram, Facebook e no Buzz Tube, que remunera de acordo com o número de visualizações e curtidas.

Ainda aparecem em destaque a Amazon, Pinterest e várias outras marcas fazem parte dessa trama tão especial! É um bom exemplo de que uma parceria bem construída pode agregar para ambos, sendo vantajosa para os dois lados, afinal, não é nada mal ter acesso à gama de clientes de uma outra marca. Eis aí mais uma bela opção para viabilizar projetos, tanto para um pequeno negócio, como também para empresas gigantescas como no filme.

A persistência é um ponto destacado, pois os protagonistas não conseguem facilmente a quantia que precisam para quitar a compra do controle e a resiliência se mostra como mais um fator de sucesso pessoal e profissional.

A necessidade de correr riscos calculados também pode ser observada, principalmente no momento em que os personagens principais entram num outro jogo para tentar ganhar um prêmio e, assim, vendê-lo para conseguir o montante desejado.

Outra característica empreendedora ilustrada na trama é a rede de contatos. E, nisso, a Disney caprichou. A Vanellope consegue o apoio das principais princesas (Cinderela, Bela, Ariel, Branca de Neve, Aurora, Elsa, Anna, Moana, Tiana, entre outras). Cada uma delas com sua principal competência, aparece para ajudá-la a conquistar seu objetivo.

Enfim, o filme é uma graça, envolvente, prende a atenção e deixa um gostinho de quero mais. Realmente um show de entretenimento e empreendedorismo da Disney e ainda pode gerar boas ideias para nossas organizações.

Se tiver alguns minutos sobrando na agenda, vale a pena investir para assistir esse lançamento cinematográfico, principalmente se você puder estar acompanhado de uma criança que ama a Disney e adora o assunto empreendedorismo.

* Erik Penna é palestrante de vendas e motivação, especialista em vendas com qualificação internacional, consultor e autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10”, “21 soluções para potencializar seu negócio”, “Atendimento Mágico – Como Encantar e Surpreender Clientes” e “O Dom de Motivar na Arte de Educar”. Saiba mais sobre motivação e vendas em: www.erikpenna.com.br.

Sobre o palestrante de vendas e motivação Erik Penna

Ministra palestras de vendas e motivação, realiza consultoria, possui MBA em Gestão de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas, pós-graduação em Administração e Marketing pela Universidade Paulista e graduação em Economia pela Universidade de Taubaté.

Aborda nas palestras ensinamentos baseados nas experiências vivenciadas por ele durante a sua carreira como executivo de vendas, professor, escritor, motivador de equipes e gestor corporativo. É autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10”, “21 soluções para potencializar seu negócio”, “Atendimento Mágico – Como Encantar e Surpreender Clientes”, “O Dom de Motivar na Arte de Educar” e coautor dos livros “Gigantes das Vendas” e “Gigantes da Motivação”.

Site: www.erikpenna.com.br

Atendimento à imprensa

Patrícia Arantes – RZT Comunicação
www.rztcomunicacao.com.br
[email protected]
Fones: (11) 5051-8142 / 99873-6008

Website: http://www.erikpenna.com.br

Um comentário

  1. Seu site é sensacional!! Como faço para criar um site como o seu? Estou vendo alguns layouts e o seu fi o que me agradou mais. Obrigado pelo conteudo de qualidade

    1. Amigo, boa tarde. Primeiramente agradecemos o contato e o carinho. Em relação a plataforma, nossa equipe entrará em contato para auxiliá-lo. Um grande abraço.

  2. I’m sorry. O planeta não está em perigo. Todos os que pensam e agem a partir dessa premissa, de duas, uma: ou são conscientes de que o propósito de fundo é controlar o fluxo global de recursos e riqueza, o que literalmente requer uma compulsória transformação da civilização humana a assumir comportamentos ditados por uma minoria; ou são apenas a imensa massa de manobra facilmente manipulada por estes, ou o que Lênin chamava “carinhosamente” de “idiotas úteis”.

    Já está mais que comprovado que a chamada “sustentabilidade” nada mais é do que a reorganização forçada de toda a infraestrutura de uma nação baseada na premissa de planejamento mais centralizado, maior interferência governamental na vida do cidadão comum e maior manipulação e controle sobre a propriedade e produção privadas. Simples assim. Como a Popy nos contou, é a tal da “Agenda Social obrigatória”… Em termos mais filosóficos, puro “marxismo ambiental”.

    Os fieis – e, em alguns casos, violentos! – seguidores da nova religião global creem que as sociedades atuais devem ser remetidas outras vez ao tempo dos governos feudais, tendo a “mãe natureza” como o princípio organizador central da economia e da sociedade, não mais dos desejos e necessidades humanas, revertendo a proposta de Protágoras e elevando a natureza acima do homem nas políticas públicas, porém fundamentado em mentiras, distorções e manipulações pseudo-científicas.

    Em suma, a velha proposta, re-embalada em um bonito papel de presente, do estado coletivista de Rousseau reinando sobre as liberdades e decisões individuais, rumo a um governo único sobre o planeta. Ou, em termos mais hollywoodianos, é, a “avatarização” do mundo em curso. O Brasil precisa seguir o exemplo de Trump e pará-la imediatamente!

  3. Excelente artigo! Já visitei o seu blog outras vezes, porém nunca
    tinha escrito um comentário. Pus seu blog
    nos meus favoritos para que eu não perca nenhuma atualização.
    Grande abraço!

  4. Concordo com a Cris!!tem muitos casamentos que duram anos não pelo amor mas sim pelo fato de gostar da pessoa!isso gera muitas coisas ruins como traições,frieza na relação, depressão,isso pra mim é comodismo.Diz que ama outra pessoa então fica com a outra pessoa o fato de te casar sabendo que ela te traiu já é um motivo pra ti não gostar tanto assim dela.

  5. Olá boa noite
    Me chamo Anna Lúcia sou de Manaus, gostaria de entrar nesse grupo de WhatsApp sobre Mentoria pois tenho um trabalho científico pra fazer nesse tema e preciso de ajuda sobre o assunto. Desde agradeço!

  6. Pingback: O cliente tem sempre razão. Será? - Pangeia Service
  7. Bom assunto abordado e com muita clareza. Quero deixar aqui meu contentamento de uma boa leitura e dizer que vou recomenda também o site e suas boas matérias.

Fechar