ColunistasFrancisco CassanoSlider

FORTALECENDO A CONFIANÇA NOS NEGÓCIOS

O relatório OCDE Business and Finance Outlook 2019 (disponível em http://www.oecd.org/finance/more-efforts-needed-to-boost-trust-in-business-and-finance.htm) recomenda a necessidade dos Policy Makers se esforçarem para obter o incremento da confiança do público nas finanças e nos negócios. Tal recomendação visa diminuir/eliminar os riscos de contágio caso o crescimento econômico e a rentabilidade financeira dos países não correspondam ao que foi planejado, ou, ainda, recuem para patamares imprevistos e/ou indesejados.

 

No caso brasileiro, o reduzido crescimento econômico previsto para 2019 e a constante elevação da taxa cambial (com a possível perda de confiança na moeda nacional) trazem exatamente aquilo que o relatório da OCDE recomenda que se evite: a desconfiança nos negócios.

 

Entretanto, a atividade do comércio exterior brasileiro permite uma constatação que pode servir de alento a todos, mais especificamente aos empresários que atuam no setor de alimentos. A tabela 1 mostra uma relação de produtos (ou grupo de produtos) do setor de alimentos cujas exportações cresceram nos oito primeiros meses de 2019 em relação ao mesmo período de 2018. O total desses produtos exportados cresceu 11,33%, com destaque maior para café, pescados e carne em geral.

 

Tabela 1 – Exportações brasileiras de produtos do setor de alimentos – Período Janeiro-Agosto

PRODUTO 2019 (A)

US$ MILHÕES

2018 (B)

US$ MILHÕES

A/B

%

CARNE EM GERAL 9.947,38 9.073,91   9,63
CAFÉ 3.311,35 2.793,25 18,55
FRUTAS    510,12 485,15   5,15
CACAU E SUAS PREPARAÇÕES    216,14 211,08   2,40
PESCADOS    163,14 142,86 14,20
LEITE E DERIVADOS      35,46   33,75   5,07
TOTAL         14.183,59 12.740,00 11,33

 

Fonte: Ministério da Economia – Estatísticas de Comércio Exterior – Séries Históricas – Grupos de Produtos: Exportação. Disponível em http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/series-historicas.

 

Embora os valores desses produtos representem apenas 10% do total das exportações brasileiras nesse período, esse crescimento tem significado importante se considerarmos que o total das exportações brasileiras no período janeiro-agosto de 2019 diminuiu 5,86% em relação ao mesmo período de 2018.

 

Dessa forma, ao mesmo tempo em que as exportações brasileiras de alimentos crescem e as exportações totais decrescem, percebe-se que o setor de alimentos possui demanda mundial significativa e que o Brasil tem produção suficiente para atender essa demanda. Tal constatação permite se afirmar que a eventual crise, que todos pretendem evitar, dificilmente atingirá o setor de alimentos em torno do mundo. Isso se presume em função dos países, em momentos de crise, reduzirem as suas importações de bens de capital e de consumo, mas raramente diminuem o seu consumo de alimentos e medicamentos.

 

Torna-se necessário difundir essa realidade para contagiar os empresários nacionais, fortalecendo a confiança nos negócios!


Francisco Cassano

Francisco Américo Cassano é doutor em Ciências Sociais e Relações Internacionais, professor pesquisador de Relações e Negócios Internacionais na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar