ColunistasFrancisco CassanoSlider

MERCOSUL E A AMPLIAÇÃO DE ACORDOS EXTERNOS

Em junho passado, ao analisarmos o cenário das relações econômicas internacionais e os novos passos brasileiros, avaliamos a adesão do Brasil à OCDE e refletimos sobre as vantagens e possíveis desvantagens que seriam decorrentes desse importante passo da diplomacia brasileira.

Simultaneamente observamos que o acordo Mercosul – União Europeia, embora já assinado, ainda dependeria de algumas providências burocráticas para permitir uma análise mais aprofundada sobre os seus efeitos.

Embora esse panorama de indefinição ainda permaneça, na recente reunião de cúpula do Mercosul – na qual o Brasil assumiu a presidência pro tempore, até o final deste ano – evidenciou-se a necessidade de transformar o bloco em um agente indutivo da competitividade para maior inserção das respectivas economias nos mercados global e regional. Para tanto, foram fortalecidas as linhas de ação que já tinham sido iniciadas na gestão anterior: intensificação de acordos regionais externos; redução da Tarifa Externa Comum – TEC; racionalização do funcionamento do bloco, com redução de custos e da burocracia.

Neste momento, o panorama comentado no mês anterior permanece inalterado como já observado, mas, com o direcionamento para novos acordos, é possível visualizar-se uma boa perspectiva para integração do Mercosul com blocos e países de significativa representatividade no cenário econômico internacional:

  • Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA, na sigla em inglês), composta por Suíça, Islândia, Noruega e Liechtenstein, possui um PIB per capita elevado e o acordo deverá ser finalizado até o final de 2019;
  • Acordos separados com Canadá, Coreia do Sul e Cingapura – economias desenvolvidas e com perspectivas comerciais de alto nível – já foram iniciados e possuem previsão de conclusão para o final de 2021;
  • Contatos com Estados Unidos e Japão foram mantidos recentemente, para um possível acordo de integração econômica, e há sinalização de que deverão ser aprofundados para desfecho favorável até o final de 2022;
  • A mudança de governo na Grã-Bretanha, com a intensificação do Brexit, significará uma nova alternativa de integração uma vez que a saída dos britânicos da União Europeia poderá resultar em um acordo específico com os mesmos.

Dessa forma, fica evidenciado que há boas perspectivas para o Mercosul ampliar a  integração com importantes mercados e a realização de negócios em patamares mais elevados. Em decorrência dessa elevação do volume de negócios o Mercosul poderá  ampliar a atividade econômica de seus integrantes, resultando em novas perspectivas para a economia brasileira.


Francisco Cassano

Francisco Américo Cassano é doutor em Ciências Sociais e Relações Internacionais, professor pesquisador de Relações e Negócios Internacionais na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar