ColunistasSilvana SantanaSlider

Como vencer a ansiedade que antecede ao medo

Neste último ano tenho percebido que há uma palavra que vem se repetindo em todos os meus atendimentos, essa palavra é o “MEDO”. Após uma conversa inicial e na condução do atendimento conseguimos concluir que o MEDO é uma consequência, mas a causa é outra, vulgarmente conhecido como “nervosismo”, mas chegamos à conclusão que tudo isso se deve a “ANSIEDADE”.

As queixas normalmente são sensações de perda de controle e insegurança. Ou seja, sentimento de medo.

O medo é um sentimento que nos segue desde muito cedo, já na infância temos diversas situações que nos levam a esse sentimento. Quase sempre é irracional, ilógico e incompreensivo. Surge de forma genuína, uma reação a um estímulo físico ou mental que produz um alerta no organismo que, sob ameaça (real ou não) tem as reações de fuga ou enfrentamento.

Como mencionei, antes do medo podemos apreciar o estado de ansiedade. Cabe ressaltar que ambos são importantes para a vida, pois leva o ser humano para ação. Portanto, tanto os medos quanto à ansiedade são positivos, pois tem um papel importante de proteção em circunstancias onde há ameaças reais.

Claro que, em acontecimentos onde não cabe uma ação, onde há claramente eventos de stress, traumas, a pessoa se sente frágil, sem força, ansiosa e nestes casos é possível se desenvolver um quadro patológico de ansiedade, onde fica exposto um medo exagerado, que pode levar a uma infelicidade muito comum nos dias atuais, que é a síndrome do pânico.

O medo acompanhado da ansiedade excessiva passa a ser uma doença, comprometendo as relações profissionais e pessoais, conduzindo a sofrimentos físicos e psíquicos. Pensamentos contrários (negativos) recorrentes e excessivos vêm rodeados de sensações físicas como acordar sobressaltado, calores ou frios intensos, falta de ar, taquicardia, tremor nas pernas, tontura, tremor, sudorese, sensação de desmaio, de que não se está presente, de pressão na cabeça, de que algo terrível vai acontecer, de que vai enlouquecer. Esses são alguns dos sintomas do pânico, acompanhados do medo.

Quando essas emoções passam do ponto ao invés de mover a pessoa para frente de forma adequada, a ansiedade faz com que o individuo normalmente tome decisões precipitadas, e isso ocorre facilmente por decisões por impulso.

Quando uma pessoa ansiosa é pressionada é notável que para entregar um trabalho no prazo torna-se praticamente uma missão impossível, pois este sentimento desfoca a concentração, os lápis são mordidos, as unhas roídas e com isso a qualidade de vida cai ladeira abaixo.

Abaixo algumas dicas caseiras para reduzir a ansiedade.

– Falar das emoções e sentimentos com amigos, familiares e vizinhos;

– Dar evasão para as tensões em atividades prazerosas como: caminhar, dançar, jogar futebol e fazer sexo;

– Respirar 4 vezes de forma curta e rápida e, depois, uma vez profundamente (Repetir 4 vezes);

– Fazer massagem relaxante e anti-stress;

Porém, quero ressaltar que quando a ansiedade foge do controle não é normal e precisa ser investigada e tratada, então, se os sintomas persistirem busque por um terapeuta, psicólogo ou psiquiatra.


silvana santana

Silvana Santana é Master Coach Trainer e Master Practitioner em PNL trabalhando exclusivamente com desenvolvimento de pessoas e Coach Executivo em Consultorias em empresas.

Atua como Emocional Coaching auxiliando pessoas no auto conhecimento, no desenvolvimento de habilidades, talentos, competências e na realização de seus objetivos pessoais e profissionais estimulando a qualidade de vida e desenvolvimento humano.

Como Analista comportamental realiza trabalhos com transição de carreira e readequação de cargos e funções.

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar