Saúde

DORES NO JOELHO – COMO FAZER PARA TER UMA VIDA NORMAL?

Osteoartrose e condromalácia, como viver bem, com elas?

A Osteoartrose, também conhecida como Artrose ou Osteoartrite, pode acometer qualquer indivíduo, seja por fatores genéticos ou por hábitos e estilo de vida. Ela consiste no desgaste da cartilagem que provoca uma falta na produção do líquido articular (ou líquido sinovial). Viscoso, esse líquido é responsável por lubrificar as articulações, facilitando os movimentos e permitindo que as cartilagens deslizem de forma saudável, sem criar nenhum tipo de atrito, desgaste ou dor.

Muito comum entre mulheres com mais de cinquenta anos, a doença é percebida através de dores e rigidez nas mãos, pescoço, joelhos, quadril e também na região lombar. “Após o diagnóstico, a maioria dos pacientes passa a ter medo de perder os movimentos ou ficar incapacitado, uma vez que a diminuição dos movimentos costuma levar ao enfraquecimento dos músculos, que por sua vez gera instabilidade e o aumento da dor. Mas, se tratada de forma correta, com o uso de fisioterapia, é possível amenizar os sintomas” – resume Raquel Silvério, fisioterapeuta do Instituto Trata de Guarulhos.

A prática da fisioterapia é aliada importante no tratamento, mas se o paciente seguir com hábitos antigos, os resultados serão menores. Dormir em uma cama mais dura é um começo, assim como não permanecer muitas horas na mesma posição e mudar estratégias na hora de pegar peso, por exemplo abaixar noventa graus para pegar o objeto ao invés de curvar-se.

Vale lembrar que apesar de ser uma doença crônica, que não possui cura conhecida, seus sintomas podem ser amenizados para que o indivíduo viva uma vida normal e de boa qualidade. “Qualquer dor crônica leva a imobilidades (diminuição cinética) e automaticamente a diminuição dos movimentos” – revela.

Outro exemplo clássico de dor crônica é visto em pacientes portadores de dor retropatelar ou condromalácia, que apresenta como principal sintoma a dor na frente dos joelhos e acomete pessoas mais jovens, tanto homens e mulheres. Quem sente este tipo de dor, geralmente torna-se mais sedentário, vivendo a base de remédios e descanso. Mas o X da questão é que o joelho é fundamental para andar, agachar e saltar e para isso, precisamos mantê-lo forte.

Parece controverso, mas é preciso se movimentar, mesmo com a dor instalada, á que o joelho tem seu papel de destaque em atividades diárias.  O trio: tornozelo, joelho e quadril precisa estar alinhado e em sintonia, de modo a trabalharem de maneira coordenada gerando menos dor. Mesmo forte e saudável, sozinho ele não é suficiente, ou seja, para tratar a condromalácia é preciso muito mais do que fortalecer apenas um músculo. É o conjunto que fará a diferença. “Quem tem dor e não quer ficar travado em uma cama, precisa dobrar o joelho. Não tem para onde fugir” – conclui.

Raquel Silvério é fisioterapeuta e diretora Clínica do Instituto Trata, unidade de Guarulhos. A profissional possui especialização em fisioterapia músculo esquelética pela Santa Casa de São Paulo, além de formação em terapia manual ortopédica nos conceitos Maitland e Mulligan e forte experiência em tratamentos da coluna vertebral. Acesse: www.institutotrata.com.br

 

Raquel Silvério

Fisioterapeuta e Diretora Clínica do Instituto Trata, a profissional possui especialização em fisioterapia músculo esquelética pela Santa Casa de São Paulo, além de formação em terapia manual ortopédica nos conceitos Maitland e Mulligan e forte experiência em tratamentos da coluna vertebral. Acesse: www.institutotrata.com.br

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar