ColunistasSliderTatiane Silva

É possível desenvolver um perfil empreendedor sem ter uma empresa?

É possível desenvolver um perfil empreendedor sem ter uma empresa?

Um tempinho atrás, quando fui contratada para meu atual emprego, ouvi do meu gestor que a principal razão para eu ser escolhida era que ele via em mim um viés empreendedor. A minha primeira reação foi pensar: “o que esse cara está falando? Nunca abri uma empresa e nem pretendo por agora”. Não falei nada, mas isso ficou guardado em minha mente.

Depois, durante a convivência com alguns líderes, eu comecei a entender o real significado de empreendedorismo. A primeira coisa que aprendi é que nem sempre essa palavra deve estar atrelada à criação de uma empresa, por mais que essa ainda seja uma consequência comum a esse tipo de atitude.

Uma definição que eu curto bastante sobre esse assunto é:

“Empreendedorismo é ver uma oportunidade e reunir os recursos para transformar uma possibilidade em realidade. Ela representa a liberdade de imaginar algo novo e fazer acontecer. Isso inclui risco, mas também inclui a recompensa de criar um legado”. Maia Haag, fundadora do I See Me.

É bem didático, não é? Mas eu aprendi sobre isso da melhor maneira possível, ou seja, na prática! Quando a startup onde eu trabalho ainda precisava encontrar maneiras para transformar tantas ideias e projetos em algo concreto. Ainda erámos muito mais uma ideia do que uma realidade e foi preciso que todos da equipe (não apenas o gestor) percebessem oportunidades e encontrassem caminhos para nos tornarmos o que somos hoje.

Foi a segunda coisa que aprendi: é possível empreender em algo que já foi criado ou ao lado de quem já deu um pontapé inicial e o fato da ideia não ser sua ou de você não estar lá desde o começo, não significa, necessariamente, que você não esteja empreendendo também. Se você é parte atuante e trabalha constantemente para encontrar recursos e transformar projetos em realidade, você também pode ser considerado parte desse processo.

Outra definição que gosto bastante sobre o ato de empreender é:

“Empreender é ter autonomia para usar as melhores competências para criar algo diferente e com valor, com comprometimento, pela dedicação de tempo e esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, físicos e sociais.”  – Marcos Hashimoto

“Criar algo diferente e com valor” é algo que me faz acreditar que é possível empreender sem, necessariamente, criar uma empresa. Afinal, você pode inovar e gerar valor em um negócio já existente, seja com um novo projeto, com a implementação de uma nova área, com a criação de um novo produto ou com tantas outras ações. E tudo isso vai implicar esforços semelhantes em relação a quem começa a empreender na estaca zero.

Depois de entender essas coisas, passei a assimilar empreendedorismo como com um conjunto de ações que envolve riscos, requer esforço e dedicação e que são capazes de modificar situações e gerar algo novo. Esse “algo novo” pode ser uma empresa (e geralmente é), um projeto particular ou na comunidade, uma mudança dentro de uma empresa e tantas outras coisas novas e é por isso que acredito que é possível desenvolver esse tipo de perfil sem ter um CNPJ ou um grande negócio.

E você? Acha que isso é possível?

Tatiane Silva é Publicitária, Community Manager e escritora de gaveta nas horas vagas. Há cinco anos vem se dedicando ao mundo das mídias sociais e adora escrever sobre marcas, marketing digital e tecnologia, sempre de um ponto de vista humanizado.

 

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar