ColunistasSliderTatiane Silva

[TATIANE SILVA – NOVIDADE] Os desafios de se trabalhar em uma startup

"Quase tudo é indefinido e instável."

Imagine que você esteja prestes a se formar na faculdade, em busca de uma nova oportunidade de estágio. Provavelmente, além de uma boa empresa e plano de aprendizado, seu grande objetivo seria encontrar uma vaga que oferecesse a possibilidade de efetivação após o término do curso. Assim eu me encontrava dois anos atrás, no início de 2016, quando eu precisava começar algo que atendesse às minhas expectativas.

Em meio a alguns processos seletivos, eis que finalmente consegui a tão sonhada vaga: um estágio de produção de conteúdo em uma startup com menos de seis meses de vida. Esse modelo de negócios ainda não era tão popular na época e eu ainda não entendia bem como funcionava uma empresa assim, mas a primeira grande coisa que percebi foi: havia, de fato, algumas coisas diferentes naquele lugar e eu não estou falando apenas do ambiente descontraído e colorido, mas sobre a forma de organização e modo de trabalho das pessoas.

Se você está acostumado a modelos organizacionais mais antigos e ainda não viveu o universo das startups, gostaria de falar um pouco sobre os principais desafios que encontrei.

Quase tudo é indefinido e instável

O grande desafio que encontrei quando comecei a trabalhar em uma startup foram as constantes mudanças de cenários. Se em um mês traçamos alguma estratégia de crescimento, é totalmente possível mudarmos ou desistirmos do projeto no mês seguinte, seja pela falta de verba ou simplesmente pela necessidade de se aplicar novas ideias.

Essa instabilidade se explica, principalmente, por se tratar de um modelo de negócios de alto risco, que exige constantes mudanças para se adaptar ao mercado e alcançar o rápido crescimento.

Recursos financeiros reduzidos

Nem sempre os recursos de investimento acompanham a necessidade de crescimento desse tipo de empresa. Eu percebi isso quando via que meu setor de comunicação não recebia verbas para investir em itens habituais, como publicidade e mídia. Todo trabalho nas mídias sociais, até hoje, é feito de forma orgânica, sem posts patrocinados ou gastos com mídias pagas, por isso, eu precisei me reinventar e encontrar maneiras de me relacionar com o público da minha empresa, sem gastar um centavo. Este é apenas um exemplo para a otimização de gastos que é inerente ao universo desse tipo de organizações.

Equipe reduzida e multitarefa

Se o objetivo é otimizar o capital investido, é bem comum que isso também aconteça na formação da equipe. Quando comecei a trabalhar em uma startup, apesar de ter dividido espaço com uma empresa maior, havia apenas cinco pessoas na minha equipe, número consideravelmente menor em relação à demanda. Na época, todos precisavam executar outras tarefas além da sua principal função. Hoje, a equipe é duas vezes maior, mas para uma empresa que cresceu dez vezes mais, em pouco menos de dois anos.

Preciso dizer que há uma linha tênue entre explorar e se exigir que um funcionário desenvolva múltiplas habilidades. O caminho que essa relação de trabalho toma dependerá da forma como a gestão da startup lida com isso. Felizmente, a minha experiência nesse quesito sempre foi positiva, pois, apesar de executar diversas funções em meu cargo, sempre estive dentro do meu campo de atuação e quase nunca precisei trabalhar além da minha jornada de trabalho.

A gestão do tempo também faz parte desse desafio, afinal, é preciso saber distribuir tudo que precisa ser feito ao longo das horas de trabalho. Atualmente, sou gerente de comunidade e redatora. Para conseguir dar conta de todas as tarefas, preciso recorrer a ferramentas como o Trello e Evernote.

Muitas perspectivas para o negócio, nem tantas para a sua carreira

Esse é, certamente, o maior desafio que encontrei ao trabalhar em uma startup. Dificilmente você encontrará uma empresa desse modelo que possua um plano bem estruturado de cargos e salários. As métricas quase sempre giram em torno do crescimento do negócio e a gestão de pessoas é focada em fazer com que a equipe trabalhe pensando principalmente – ou exclusivamente – no crescimento da empresa. Portanto, se seu objetivo é começar em uma startup e se deparar com um plano de carreira muito bem definido, dificilmente você vai encontrar. É claro que os cargos podem surgir com o tempo, mas é algo totalmente mutável e imprevisível.

As perspectivas por aqui tangem muito mais a esfera do conhecimento, afinal, aprende-se muito enquanto você trabalha para atingir metas para acelerar o crescimento da empresa. Tentarei compartilhar minhas experiências por aqui e dividir com vocês um pouco de tudo que venho aprendendo.

Tatiane Silva é Publicitária, Community Manager e escritora de gaveta nas horas vagas. Há cinco anos vem se dedicando ao mundo das mídias sociais e adora escrever sobre marcas, marketing digital e tecnologia, sempre de um ponto de vista humanizado.

 


Quer ler outras colunas exclusivas sobre empreendedorismo? Clique aqui.

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar