Saúde

Dezembro Laranja alerta sobre a importância da prevenção do câncer de pele

O tumor de pele é um dos tipos de cânceres que mais atinge a população brasileira

O câncer de pele é um dos tipos de cânceres mais detectados no Brasil, somente em 2016 foram registrados 181.430 novos casos. Esse número, bastante alarmante, muitas vezes é causado pela falta de cuidados com a pele durante a exposição aos raios solares. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), os tumores de pele correspondem a 30% dos casos registrados anualmente em nosso País.

Para enfatizar o que é a doença e qual a importância da prevenção, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) criou o “Dezembro Laranja”.  A campanha existe desde 2014 e tem sido uma das principais responsáveis por discutir o assunto.

“A pele é o maior órgão do nosso corpo e muitos não possuem consciência do quanto é importante protegê-la diariamente. O câncer de pele é um dos mais comuns no Brasil e muitos brasileiros não tem o hábito de usar protetor solar”, comenta Hilda Soares, médica da Clínica Fares.

A médica afirma ainda que existem duas categorias de câncer de pele: Os não-melanoma, originados por células basais ou escamosas e os melanomas, resultantes dos melanócitos, que são as células responsáveis pela produção de melanina.

Tipos

Os cânceres não-melanoma são responsáveis por 95% dos diagnósticos de câncer de pele. Os tipos mais comuns são o Carcinoma basocelular (CBC) ou Carcinoma de espinocelular (CEC).

O basocelular é o mais diagnosticado e representa até 75% dos casos. Ele é comum em pessoas a partir dos 50 anos ou idosos, porém tem sido cada vez mais recorrente em jovens pelo excesso da exposição ao sol sem os devidos cuidados. Esse tipo de câncer se desenvolve lentamente e atinge áreas do copo mais expostas ao sol, como orelhas, rosto, couro cabeludo e pescoço.

Ele possui baixa letalidade e o tipo mais encontrado é o nódulo-ulcerativo, que possui características como: Pápula vermelha, brilhosa, com uma crosta central, que sangra facilmente.

O CBC exige acompanhamento permanente com um especialista mesmo após o tratamento, pois em média de 35% a 50% das pessoas que tiveram esse câncer apresentaram novo quadro após cinco anos do primeiro diagnóstico.

O segundo tipo de câncer, o Carcinoma espinocelular é o segundo tipo mais comum, representando 20% dos casos. Ele também se manifesta nas áreas mais expostas ao sol, atingindo principalmente homens e idosos. Ao contrário do basocelular, sua evolução é agressiva e pode atingir outras partes do corpo como o tecido gorduroso, gânglios linfáticos e outros órgãos.

O CEC é encontrado onde a pele apresenta mais sinais de dano solar, como enrugamento, mudanças na pigmentação ou perda de elasticidade. Ele pode ser confundido com machucado ou ferida que não cicatriza e sangra ocasionalmente. Há casos em que sua aparência também pode confundida com algum tipo de verruga.

Além desses dois, existem outros cânceres como o melanoma. Esse tipo possui o maior índice de mortalidade, porém quando detectado precocemente possibilita chances de até 90% de cura.

O melanoma pode ser confundido com uma lesão na pele com relevo. Essa lesão pode ter aparência brilhante, translucida avermelhada, entre outras cores, e sangra facilmente.

De acordo com a dermatologista, existem casos da doença relacionados a feridas crônicas ou cicatrizes na pele, anti-rejeição de órgãos transplantados e exposição a alguns agentes químicos ou à radiação.

O melanoma é tipo de câncer que atinge principalmente pessoas de pele clara, mas também pode manifestar-se ainda que raramente em pessoas com fototipos de pele mais alto”.

Além de manchas e lesões, os melanomas metastáticos podem apresentar outros sintomas que variam com a área onde o câncer avançou. Nódulos na pele, inchaço nos gânglios linfáticos, falta de ar ou tosse, dores abominais e de cabeça podem ser considerados os principais sinais do avanço da doença.

Tratamento:

Hoje a medicina disponibiliza diversos tipos de tratamentos que são indicados conforme for o tipo e estágio da doença.

O tratamento pode ser feito com cirurgia a laser ou bisturi, curetagem, criocirugia (congelamento do tumor) ou terapia fotodinâmica (PDT).

Nos casos mais graves, como o melanoma, o tratamento irá depender do grau do câncer, extensão, localidade e extensão e agressividade da doença.

“Os pacientes devem passar por alguns exames genéticos que identifiquem quais mutações o tumor gerou. Os exames são fundamentais para a indicação do tratamento mais efetivo. Em situações que o paciente possui melanoma avançado é comum a indicação de quimioterapia, radioterapia ou imunoterapia”.

A médica conclui dizendo que dependendo do estágio avançado, é comum fazer mais de um tipo de tratamento ao mesmo tempo.

Métodos preventivos indicados pela Sociedade Brasileira de Dermatologia:

  • Usar chapéus, camisetas e protetores solares.
  • Evitar a exposição solar e permanecer na sombra entre 10 e 16h (horário de verão).
  • Na praia ou na piscina, usar barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material.
  • Usar filtros solares diariamente, e não somente em horários de lazer ou diversão.
  • Utilizar um produto que proteja contra radiação UVA e UVB e tenha um fator de proteção solar (FPS) 30, no mínimo.  Reaplicar o produto a cada duas horas ou menos, nas atividades de lazer ao ar livre. Ao utilizar o produto no dia-a-dia, aplicar uma boa quantidade pela manhã e reaplicar antes de sair para o almoço.
  • Não utilizar câmaras de bronzeamento
  • Observar regularmente a própria pele, à procura de pintas ou manchas suspeitas.
  • Consultar um dermatologista uma vez ao ano, no mínimo, para um exame completo.
  • Manter bebês e crianças protegidos do sol. Filtros solares podem ser usados a partir dos seis meses.

Clinica Fares:

 A Clínica Fares foi fundada em 1988 pelo médico cardiologista e geriatra Adiel Fares. Sua primeira unidade foi inaugurada na Vila Nova Cachoeirinha, em São Paulo, e até hoje é uma das mais bem sucedidas centros médicos da região.

Hoje a estrutura da Fares comporta três unidades: Vila Nova Cachoeirinha; Santo Amaro (na cidade de São Paulo) e Osasco. A rede é, dentro do segmento, a única clínica médica com estrutura de hospital, onde é possível realizar, além de consultas e exames, também pequenas cirurgias.

O grande diferencial do empreendimento clínico é o atendimento humanizado e o fato de a rede reunir quase todas as especialidades médicas em um único local (pólos médicos).  A medicina humanizada utilizada nas mais de 30 especialidades oferecidas dentro da Clínica Fares é baseada na filosofia do médico norte-americano Dr. Hunter Doherty, conhecido como “Patch Adams” que inspirou o filme ”O amor é contagioso”, estrelado por Robin Williams.

A Clínica Fares atende um público dividido em, aproximadamente, 60% originados pelo método particular, e 40% entre as seguradoras e autogestões. Os pacientes que transitam pelas três unidades, segundo levantamentos da Fares, pertencem 50% às classes A e B e 50% à C.

Hoje a rede Clínica Fares comporta mais de 340 salas de consultórios e exames, 450 médicos associados e 400 colaboradores nas 3 unidades, com uma estrutura até 17 vezes maior que a de outros polos médicos. O Centro de Reabilitação e Fisioterapia é considerado o 8º maior do mundo e por mês as unidades realizam 70 mil atendimentos.

http://clinicafares.com.br/

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar